SEJAM BEM VINDOS!!!


quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Nossa cachorrinha Ariel nos deu um susto enorme ontem:chegamos do consultório às 17:00 e ela veio nos receber,alegre e saltitante como sempre.Fomos até a área de serviço e lá nos assustamos ao ver vestígios de algo parecido com sangue,só que mais grosso e amarelado.Minha irmã foi,imediatamente,ao quarto e deparou com uma poça deste mesmo líquido purulento na caminha de Ariel,no chão e na escada.Pegou -a,então,no colo para examinar e ver a origem deste sangramento,pois pensávamos que fosse diarréia,mas não era,a vagina e os pelos ao redor estavam repletos desta secreção.Demos um banho nela,pensando que fosse passageiro e que melhoraria.Mas nada fazia com que parasse e telefonamos para a veterinária que pediu que a levássemos hoje às 8:00,horário em que ela chega à clínica.Acomodamos Ariel em outra caminha,improvisamos,com camisas velhinhas uma espécie de absorvente para ela e passamos uma interminável noite esperando o dia amanhecer.Enquanto aguardávamos, procurei no Dr Google uma explicação e encontrei:o nome é piometra e acomete cadelas,após os cinco anos(Ariel tem nove) e 60 dias após o cio.Foi exatamente isto que nos disse a Dra Ângela,veterinária super competente que cuida de Ariel desde que ela veio para nossa companhia,aconselhando uma cirurgia o mais rápido possível,o que foi feito e,agora,18:30,ela está aqui,deitadinha em sua caminha,dormindo(geme um pouquinho de vez em quando)e totalmente fora de perigo,graças a Deus.
Foi este o artigo que li e me esclareceu bastante:

Piometra: nenhuma cadela está a salvo
Fatal se não tratada a tempo, a piometra não escolhe idade, raça ou porte Parecia ser um dia normal. A administradora de condomínios Maria Inês Bonagura, de São Paulo (SP), chegou em casa depois de um dia de trabalho e foi recebida normalmente por Melody, sua cadela da raça beagle. "Ela é daquele tipo de cachorro que cola quando está com algum problema. Nesse dia, sentei para usar o computador, e ela, ao contrário de deitar na cama e ficar me espiando, deitou ao meu pé", lembra. Melody tremia muito, mas como é friorenta, Maria Inês a embrulhou em um endredon e tentou aquecê-la.
"No dia seguinte, levei-a à veterinária, mas como ela estava brincalhona e agitada como de costume, disse que não era nada. Deixei-a em casa e fui trabalhar. Só que à noite, quando voltei, foi a mesma coisa, da tremedeira". Logo de manhã, as duas voltaram à veterinária e Maria Inês solicitou que a veterinária encaminhasse a cadela para um raio X para certificar de que nada de errado estava acontecendo. Com o raio X, voltou à veterinária e naquela mesma tarde, Melody foi operada. Era um processo infeccioso chamado piometra, que se não tivesse sido tratado a tempo, poderia ter levado a beagle à morte.
Como acontece
A cadela, por algum distúrbio hormonal, começa a produzir progesterona (hormônio sexual feminino) e esse excesso leva a uma alteração das células da mucosa uterina. Com isso, ocorre o acúmulo de grande quantidade de líquido dentro do útero. Segundo Sílvia Crusco, normalmente a piometra acomete a cadela no diesto (período de 60 dias após o cio).

"Esse líquido acaba se contaminando, determinando a piometra", explica a veterinária Neísa. "Por causa do acúmulo, a infecção normalmente não responde bem ao tratamento com antibióticos, já que o líquido presente continuaria "alimentando" a infecção. Além disso, o emprego de antibióticos locais é de pouca valia, pois o formato do útero das cadelas (em "Y") impediria que a lavagem chegasse a todo o útero", explica.
"Além disso, muitas vezes, temos a piometra fechada, onde uma parte mais densa da vagina (o cevix) se encontra fechada, impedindo assim a introdução de uma sonda para lavagem. No caso de Melody, que foi uma piometra fechada, o quadro foi mais complicado, pois além de não ter o corrimento, que teria facilitado à dona da cadela detectar o problema, não teve eliminação do material purulento. Esse material retido dentro do útero aumenta a gravidade do quadro", diz.
"Se a Melody não tivesse sido operada naquele mesmo dia, ela poderia ter morrido, pois o caso era tão grave que no raio X já aparecia", diz. "Se a cadela não for operada a tempo, dificilmente sobrevive", observa a médica veterinária Sílvia Crusco, de São Paulo (SP). "Isso acontece porque a infecção que antes era uterina acaba se generalizando por todo o organismo. Temos aí uma sobrecarga renal, o que torna a cirurgia tardia mais arriscada", confirma a médica veterinária Neísa Lourenço, de Juiz de Fora (MG). Segundo ela, por meio do raio X é possível fazer apenas um diagnóstico presuntivo, que deve ser sempre analisado juntamente com o quadro clínico e com o hemograma, pois há um aumento considerável e característico no número de leucócitos (células de defesa). A ultrassonografia talvez seja o melhor método para confirmação da suspeita clínica", explica a doutora Neísa.
Sintomas
O pior é que nem sempre fica fácil identificar os sintomas da piometra. Se a piometra se manifestar de forma "aberta", é possível perceber um corrimento. "Esse corrimento normalmente se apresenta purulento, grosso, mal cheiroso, e muitas vezes com sangue. Já se a piometra for fechada, não teremos o corrimento e só veremos os sintomas da fase posterior, já de intoxicação orgânica pela infecção uterina", diz a doutora Neísa. Nessa fase, o animal apresenta um aumento no volume e no número de vezes em que a cadela urina, bem como aumento no consumo de água. "A cadela fica apática e pode ainda apresentar febre, vômito e cólicas, além de algumas vezes percebermos um aumento abdominal", acrescenta a doutora Sílvia.

Castrar para prevenir
Apesar da maioria dos casos se manifestar em cadelas a partir dos cinco anos de idade, a piometra pode atingir animais mais jovens. Além disso, por atingir mais cadelas que nunca tiveram cria, há uma mentalidade errônea que induz as pessoas a cruzar suas cadelas para evitar a doença. "Melody teve piometra dois anos depois de sua primeira cria", diz Maria Inês. Acasalar a fêmea a fim de prevenir a infecção não é um método garantido. "A única prevenção eficaz é realmente a castração. Aliás com ela, pela retirada do útero eliminamos de vez o risco da piometra e diminui também o risco de tumores de mama", diz a doutora Neísa.

O tratamento para a doença é a cirurgia para retirada do útero e ovários. "Já presenciei cura de piometra com homeopatia, mas como muitas vezes não temos como arriscar um tratamento, muitos veterinários homeopatas acabam indicando a cirurgia", conta.





9 comentários:

Glória Maria - Fadinha disse...

Nossa, que susto heim? Já passei por isso. Agora todas as minhas cadelas são castradas. Como a cachorrinha está agora. Vai no Finais Felizes me contar. Adoro bichinhos e gostaria de saber da saúde da sua fofinha. Bjs

Ivani disse...

Pobre Ariel, passou por maus bocados, e vocês também.
Imagino o quanto se preocuparam. Adoro animais, principalmente cães.
Tive uma bem parecida com sua Ariel. As crianças batizaram de coki.
Viveu sua vida inteira com a gente, essa foto da ariel me deixou com saudades.
Tomara que tudo esteja correndo bem, que ela logo se recupere para a alegria da familia.
Beijos Leninha, boa noite.

Rosane Castilhos disse...

Oi minha querida!!!
Que susto, ainda bem que já passou. Espero do fundo coração que tudo fique bem com "nossa" Ariel!!!
Estou aqui torcendo por esta lindona!!!!!!!
Obrigada amiga pelas informações, meu coração ficou apertadinho só de pensar nos meus peludinhos e peludinhas que tanto amo!

Rosane Castilhos disse...

Esqueci de deixar um beijinho!!!
Muitos beijinhos...

O meu pensamento viaja disse...

Querida Leninha, que susto horrível!
Nós nos apaixonamos por esses anjos que nos amam sem restrições e quando algo os ameaça é uma aflição terrível.
Ainda bem que tudo está controlado e, logo, logo, Ariel estará recuperada.
Beijos, linda

Su disse...

Leninha, que bom que passou o susto, tadinha da Ariel, ainda bem que vocês agiram rápido. Espero que ela esteja melhorzinha...
Não conhecia essa doença...

Beijos e um dia de paz por aí!

Su.

Catia Bosso disse...

uih Ja vi este post em algum lugar hj rsrs


bjs meus

Universo Paralelo disse...

O bichinho é frágil e nem sabe o que esta acontecendo, somos nós que temos que cuidar e proteger, isso dá trabalho, são como crianças, eu não tenho , mas tenho filhos, que é a mesma coisa, e o susto é grande, pois não queremos que eles sofram ou passam por alguma forma de dor, ainda bem que deu tempo e ela agora esta bem, que bom! beijos!

Silvia Ordonhes disse...

Leninha querida obrigada pelo
carinho,deixei mensagem para Ariel,acho que não foi.
Onde eu dizia ter,tomado conhecimento,já era noite que susto hein.Que São Francisco o protetor do animais,a proteja,ele que amava a tudo e a todos
com sua infinita bondade,
desejo que ela esteja recuperada,pois passou por cirurgia!
Gosto muito de animais de estimação,são puros,uma criança
e nos demonstram afeto carinho,quando bem cuidados!
Parabéns a vocês pelo carinho e cuidado com ela...
Linda semaninha queridonas!
bjsss
Paz e luz para humanidade